Como é o sistema de correção do ENEM?

Como é o sistema de correção do ENEM?

O ENEM testa o candidato pelo seu raciocínio, capacidade de interpretação e domínio do conteúdo estudado durante o Ensino Médio. Mas, será que você sabe como a sua prova é avaliada?

Muitos candidatos que prestam a prova não sabem como o ENEM é corrigido. O exame adere ao sistema de correção TRI - Teoria de resposta ao item e a redação é avaliada baseada em cinco critérios, as chamadas competências.

A TRI - Teoria de Resposta ao Item

A correção pelo método TRI analisa as respostas do candidato e dá um peso específico para cada acerto. O ENEM adota essa prática para evitar que o aluno chute todas as questões e consiga, pela sorte, boa pontuação na prova. Isso faz com que somente aqueles que tenham se preparado para o exame e tenham levado a prova a sério se saiam bem.

Para isso, todas as questões da prova são previamente divididas em grupos: fácil, médio e difícil. As perguntas são misturadas para que o estudante não saiba a qual grupo cada uma pertence.

Na hora da correção, a TRI contabiliza o número de acertos do candidato pelo seu grau de conhecimento, com base na dificuldade das perguntas acertadas. Ou seja, se você responder corretamente muitas perguntas difíceis, significa que você também acertará as mais fáceis. Quando isso acontece, significa ter domínio do conteúdo e ter se preparado para a prova. Agora, se você errar questões simples e acertar algumas mais complicadas, a TRI entenderá que você chutou.

Se você chutar uma questão e acertar, a TRI não irá anulá-la. Contudo, você pontuará menos que uma pessoa que não chutou. O critério para definir se o estudante domina o assunto abordado na questão é o padrão de resposta do candidato, por meio de estatísticas e cálculo cumulativo.

Se você errar muitas questões fáceis, a TRI entende que a chance de você acertar uma pergunta difícil é baixa. Caso consiga, concluirá que você "adivinhou" a resposta. Ou seja, a sua nota não depende apenas da quantidade de acertos. Mas também, da dificuldade das questões que você acertou ou errou.

Toda pergunta correta aumenta a nota do candidato, seja por chute ou por conhecimento. Dica: Se não souber uma resposta, chute! Uma questão deixada em branco é considerada como errada. A nota, se você acertar, pode ser menor que a de quem não chutou, mas é melhor do que não pontuar.

E a redação, como funciona?

A redação possui um grande peso no ENEM, representando 20% da nota total do exame. Ela é obrigatória e não pode ser zerada por quem quiser utilizar a prova para entrar em uma faculdade. O texto produzido deve ser em prosa, do tipo dissertativo-argumentativo, sobre um tema de ordem social, científica, cultural ou política (o qual só é conhecido no momento de realização da prova) e sua avaliação é baseada em competências.

Entenda as competências

Cada competência possui uma perspectiva e tem valor máximo de 200 pontos. Em cada uma o corretor analisa a redação do candidato pelos aspectos relevantes à competência e pontua em uma classificação que vai de péssimo até excelente.

  • 0 pontos - péssimo (o texto não atendeu aos critérios daquela competência)
  • 40 pontos - precário
  • 80 pontos - insuficiente
  • 120 pontos - mediano
  • 160 pontos - bom
  • 200 pontos - excelente (o texto atendeu a todos os critérios daquela competência)

No total, todas as competências somam 1000 pontos, nota máxima que se pode obter na redação do ENEM. Então, se você conseguir 120 pontos nas três primeiras competências, e 200 pontos nas duas últimas, terá nota final de 760 pontos.

1ª Competência - Domínio da norma padrão da língua escrita

Nessa competência, avalia-se o domínio do candidato com relação a escrita formal da língua portuguesa. Ou seja, se o aluno não escreve como se fala, já que a língua oral é informal e característica de cada indivíduo.

Nisso inclui, se você sabe utilizar os sinais de pontuação, conhece as regras de concordância nominal e verbal; flexão de nomes e verbos; colocação de pronomes oblíquos (átonos e tônicos); grafia das palavras (inclusive acentuação gráfica e emprego de letras maiúsculas e minúsculas); e divisão silábica na mudança de linha.

2ª Competência - Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo em prosa

Quanto a essa competência, os elementos observados referem-se ao entendimento da proposta de redação. O seu texto é avaliado pela sua estrutura, se apresenta os requisitos que o faz dissertativo-argumentativo em prosa, e se demonstra que você compreendeu o que está sendo solicitado. O corretor avalia o modo como você expôs suas ideias e se os seus argumentos defendem a sua tese de forma consistente ao que foi proposto, sem fugir do tema.

3ª Competência - Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.

Nessa competência, é avaliado se você planejou sua redação e apresentou seus argumentos em uma ordem lógica. O corretor irá analisar se você soube estruturar suas justificativas para sustentar a sua defesa, e se são coerentes durante todo o corpo do texto.

4ª Competência - Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação

Aqui, é avaliada sua capacidade de produzir um texto em que os parágrafos conversem entre si e não sejam desconexos. As ideias apresentadas a cada um deve estabelecer uma correlação entre orações, frases e parágrafos, sem repetir palavras e utilizando preposições, conjunções, advérbios e locuções adverbiais para garantir a coesão.

5ª Competência - Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos

Na última competência, é avaliado se o texto do candidato apresenta uma proposta de intervenção na vida social para o problema abordado. É preciso lembrar que essa proposta de intervenção, deve ser concreta, específica, sustentada pelos seus argumentos apresentados, e que respeite os direitos humanos, de modo a não romper com valores como cidadania, liberdade, solidariedade e diversidade cultural.  Dica: Dê um exemplo de como ela pode ser posta em prática no cotidiano social.

O Deputado Estadual de Mato Grosso, Wancley Carvalho (PV) é membro titular da Comissão de Educação, Ciência, Tecnologia, Cultura e Desporto da Assembleia Legislativa. Ele possui o Programa de Estudos para  Enem e Concursos - PEEC  que tem o objetivo de auxiliar alunos no aprimoramento do desempenho escolar e complementar o trabalho que as escolas já tem feito.

Com o PEEC, alunos do ensino médio de dez cidades da região oeste de Mato Grosso têm a oportunidade de se preparar para o Exame Nacional do Ensino Médio. Para mais informações sobre o programa, os interessados podem entrar em contato com o gabinete do Deputado Wancley Carvalho, pelo telefone: (65) 3313-6795.

Conheça o SIMULADO PEEC ENEM 2015 realizado pelo Deputado Wancley.

Banner-Rodapé-peec

Arthur Sahib

Deixe uma Resposta

Close